Índice de Preços no Consumidor Nacional - IPCN, Dezembro 2020 (FIR)

O Instituto Nacional de Estatística (INE) coloca a disposição dos utilizadores a Folha de Informação Rápida do Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN), incluindo as 18 províncias de Angola. Para produção deste indicador foi necessário a alteração do período de base, tendo sido considerado  o mês de Dezembro de 2014.O presente indicador é produzido e elaborado pelo INE em estreita colaboração com os seus Serviços Provinciais (SPINE).A base informativa para construir os ponderadores e o cabaz de produtos do IPCN, foi extraída dos resultados do Inquérito Integrado sobre o Bem-estar da População (IBEP) realizado pelo INE, no período de Maio de 2008 a Junho de 2009, cobrindo todas as Províncias do país, incluindo áreas urbanas e rurais.O Inquérito sobre Despesas e Receitas (IDR), realizado de Março de 2018 a Fevereiro de 2019, já providenciou os dados para a composição da nova estrutura dos Ponderadores e o cabaz de produtos do IPCN. Esta actualização deve ser feita, normalmente, de 5 em 5 anos (no máximo) conforme orienta o “Consumer Price Index Manual – Concepts and Methods”1, actualizado em 2020.A nova estrutura do IPCN, com base no IDR 2018/2019, que representa a actual realidade do consumo das famílias residentes em Angola, quando comparada com a série de 2008/2009, será a base de publicação do IPCN tão logo se termine a composição das matrizes de consumo provinciais, assim como se identifique os pontos de recolha a nível nacional.A nova estrutura de ponderação para o IPCN é de extrema importância, pois a estrutura em uso (2008/2009) já não representa a realidade do consumo das famílias que data de 12 anos. Esta situação obriga, ao INE de Angola, actualizar conforme a Estratégia de Harmonização das Estatísticas em África, o Programa de Comparação Internacional (que abrange todos os países do mundo).O mês de Fevereiro de 2021, com a publicação do IPCN do mês de Janeiro de 2021, é a data definida, após o trabalho de composição dos Ponderadores, em que o INE se predispõe publicar o IPCN com base no cabaz de produtos resultantes do IDR 2018/2019.A organização da FIR mantém-se com a descrição habitual para o IPC de Luanda, enquanto para as outras dezassete (17) províncias se apresenta somente as variações gerais mensais, por classes de despesa e variações por classes de despesa com maior incidência. A fim de melhorar, cada vez mais, a qualidade desta Folha de Informação Rápida, o INE agradece, antecipadamente, o envio de contribuições que possam ajudar na melhoria do seu conteúdo e da sua forma....

Publicado em: 12/12/2020

Ler Mais...

Índice de Preços no Consumidor Nacional - IPCN, Janeiro 2021(FIR)

O Instituto Nacional de Estatística (INE) coloca à disposição dos utilizadores a Folha de Informação Rápida do Índice de Preços no Consumidor Nacional (IPCN), com a nova estrutura de ponderação.O Índice de Preços no Consumidor teve o seu início à disponibilização dos primeiros resultados em Janeiro de 1991, cobrindo apenas a província de Luanda e com o mês e ano de referência Dezembro de 1990.As despesas em bens e serviços que constituiu a base para construir os ponderadores e o cabaz de produtos do IPCN foram extraídas dos resultados do Inquérito sobre Despesas e Receitas (IDR) realizado pelo INE, no período de Fevereiro de 2018 a Março de 2019, cobrindo as áreas urbanas e rurais de todas as províncias, num total de 12.448 agregados familiares.O período de referência das despesas dos agregados familiares foi, nomeadamente: dia, semana, mês, trimestre e ano. Estas, por sua vez, foram convertidas em mensais e deflacionados com a série do IPCN de 2008/2009. Os produtos com unidade de medidas não convencionais, exemplo, pedaços de carne, feixes de legumes, embalagens de óleos alimentares, sal, açúcar, etc. foram recolhidos com e pesados para calibragem das unidades e conversões em unidades convencionais. Para o trabalho de agregação das despesas, o processo foi realizado em cada estrutura provincial, para conservar as bases individuais de cálculo, e a última etapa fez-se o compilado para o Nacional.A actual estrutura tem a base de ponderação o mês de Dezembro de 2020 (Dezembro=100). A chave de ligação da série nova com a anterior é o IPC do mês de Dezembro de 2020 na base antiga (Dezembro=2010), servindo de corte para a nova série que iniciou em Janeiro de 2021. Para o recálculo da série, os valores dos índices anteriores de cada mês foram divididos pelo Índice do mês de Dezembro de 2020, sendo este a base. Com isto, todos os valores derivados (taxas de variação) são conservados ao longo de toda série desde 1991 à presente data da actualização dos ponderadores (Dezembro de 2020).As principais alterações registadas no conjunto de bens e serviços, quando comparado a estrutura actual (IDR-2018/2019) com a anterior (IBEP-2008/2009), residem no facto de se ter observado um acréscimo na Nacional de 370 bens e serviços (passando de 362 para 732). No que refere a estrutura de ponderação, as principais alterações foram verificadas nas seguintes classes[1]: Alimentação e Bebidas não Alcoólicas, que passou de 43,95 para 58,55 em Luanda e 47,11 para 55,67 na Nacional; Habitação, Água, Electricidade e Combustíveis que passou de 12,50 para 6,58 em Luanda e 10,77 para 5,38 na Nacional; Vestuário e Calçado que passou de 6,50 para 2,80 em Luanda e 6,39 para 3,55 na Nacional.As cedências, quer de aumento ou redução, da importância dentro de cada classe verifica-se, por um lado, no surgimento de novos produtos em consequência de alteração nos hábitos de consumo da população e por outro, também pode ser explicado pelo facto da velocidade do desenvolvimento da ciência aplicada na indústria, o que origina a criatividade e inovação, levando com isso o surgimento ou desaparecimento de vários produtos e serviços.Importa referir também que entre as classes, umas ganharam importância em detrimento das outras que pode ser explicada pelo número de produtos novos que uma dada classe verificou, ou ainda pelo facto de se ter registado um consumo considerável (despesas) nos produtos e serviços existentes em cada uma das 12 classes, o que influenciou consideravelmente no aumento em algumas classes e redução nas outras.A organização da FIR mantém-se com uma descrição habitual para o IPC de Luanda, enquanto para as outras dezassete (17) províncias são configurados como variações gerais mensais, por classes de despesa e incidência (contribuições).O Instituto Nacional de Estatística agradece a todos os membros dos agregados familiares que declararam as suas Despesas e Receitas durante o período do inquérito. Por outro, mostra-se aberto a recepção de contribuições válidas que pode ajudar na melhoria da apresentação. A organização das classes de despesas segue a Classificação de Consumo Individual por Objectivo (CCIO) adaptado de Consumo da COICOP....

Publicado em: 1/11/2021

Ler Mais...