Nota de Esclarecimento Sobre os Dados do IEA, Referentes ao IVº Trimestre de 2020

O Instituto Nacional de Estatística realiza o Inquérito Ao Emprego Em Angola desde 2019, e trimestralmente publica uma Folha de Informação com os principais indicadores sobre o Emprego e Desemprego. Desde o último trimestre de 2020, o Instituto Nacional De Estatística passou a apresentar todos os resultados produzidos pela Instituição por intermédio da realização de Conferências de Imprensa, dirigida aos órgãos de comunicação social.Na terça-feira última, dia 26 de Janeiro, o Instituto Nacional De Estatística realizou a sua habitual conferência de Imprensa para apresentação dos resultados do Inquérito Ao Emprego Em Angola referentes ao IV Trimestre de 2020. No mesmo dia do lançamento foi destacada pela imprensa a seguinte informação: “mais de 6 milhões de pessoas empregadas no último trimestre de 2020” dando a entender, erradamente, que de acordo com os resultados do Inquérito ao Emprego em Angola publicados pelo Instituto Nacional De Estatística sobre a população empregada foram criados mais de 6 milhões postos de trabalho.De facto, o Instituto Nacional de Estatística em conferência de Imprensa, comunicou o número total de pessoas declaradas empregadas no IV Trimestre de 2020, num universo de 15 497 110 de pessoas com 15 ou mais anos de idade, a população economicamente activa, 10 749 488 de pessoas foram declaradas empregadas e 4 747 622 de pessoas foram declaradas desempregadas.Do total da população declarada empregada, mais da metade (56,1%), encontra-se no sector da agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca, o que representa em termos numéricos 6 034 744 pessoas, seguido do comércio por grosso e a retalho com 19,4%, ou seja, 2 087 546 pessoas. O sector que menos emprega é o sector de actividades financeiras, imobiliária e de consultoria com 0,6%, um total de 60 296 pessoas. Neste contexto, conforme informação prestada na conferência de imprensa, os mais de 6 milhões referem-se a população declarada empregada no sector da agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca e não a criação de novos postos de trabalho conforme veiculada pela comunicação social.O Instituto Nacional de Estatística, aproveita igualmente a oportunidade para apelar, encarecidamente, aos diferentes órgãos de comunicação social do país, na qualidade de seus principais parceiros de divulgação das estatísticas oficiais, a apoiarem o Instituto Nacional de Estatística na disseminação das estatísticas produzidas por este órgão conforme a realidade da informação prestada nas conferências de imprensa realizadas e da qual participam, de modos a informarmos à todos os utilizadores das estatísticas oficiais e a sociedade angolana no geral com a maior transparência, fiabilidade e tempestividade que as metodologias usadas exigem.O Instituto Nacional de Estatística informa que encontra-se disponível para quaisquer esclarecimentos adicionais, através dos seguintes endereços: geral@ine.gov.ao. Tel.: 949928084 INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA, em Luanda, 27 de Janeiro de 2021....

Publicado em: 12/14/2020

Ler Mais...

Inquérito ao Emprego em Angola - IEA, IVº Trimestre 2020 (FIR)

O Instituto Nacional de Estatística, remete por esta via a Folha de Informação Rápida sobre o Inquérito ao Emprego em Angola do IV Trimestre de 2020.Segundo os critérios da Organização Internacional do Trabalho (OIT), cada pessoa de 15 ou mais anos de idade, apenas deve ser classificada como: i) economicamente activa (empregada ou desempregada); ii) economicamente não activa (inactivos), considerando a sua situação nos 7 dias anteriores a entrevista. Os indicadores sobre o mercado de trabalho mostram algumas evidências marcadas pelo impacto da Pandemia COVID-19. Na actual situação, pessoas nos trimestres anteriores classificadas como desempregadas e pessoas que efectivamente perderam os seus empregos devido à pandemia COVID-19 podem, neste trimestre, ser classificadas como inactivas. A não disponibilidade para começar a trabalhar, por motivos relacionados com a pandemia, pode levar ao acréscimo da população inactiva. No quarto trimestre de 2020, a população desempregada, estimada em 4 747 622 pessoas com 15 ou mais anos, diminuiu em 8,9% (461 023 pessoas) em relação ao trimestre anterior. Comparativamente ao terceiro trimestre de 2019 (período homólogo) aumentou em 120 465 pessoas, representando 2,6%. A taxa de desemprego foi estimada em 30,6%, valor inferior em 3,4 pontos percentuais em relação ao do trimestre anterior (34,0%) e inferior a 1,2 pontos percentuais relativamente ao trimestre homólogo (31,8%). A população empregada com 15 ou mais anos foi estimada em 10 749 488, ou seja, aumentou 6,3% relativamente ao trimestre anterior (mais 636 589 pessoas) e 8,3% em relação ao trimestre homólogo de 2019. A taxa de emprego situou-se em (62,8%) tendo-se verificado um aumento de 5,2% em relação ao trimestre anterior (59,7%) e um aumento de 4,1% relativamente ao trimestre homólogo (60,3%)....

Publicado em: 1/14/2021

Ler Mais...

Inquérito ao Emprego em Angola - IEA, Iº Trimestre 2021 (FIR)

O estado de Calamidade Pública que vigora até a data presente, resultou no abrandamento temporário ou a abertura embora que limitada de produção de bens e serviços, em particular os não essenciais, bem como nas restrições à livre circulação (Luanda, sob cerca sanitária) de pessoas, acompanhado com a abertura das escolas. No primeiro trimestre de 2021, o grosso das províncias (18) trabalhavam com 75% da força de trabalho. Por outro lado, a actual situação da pandemia COVID-19, resulta na obrigação de se adoptar medidas de biossegurança de saúde pública, que de certa forma afectam a recolha de informação quer da parte dos inquiridores bem como dos inquiridos. Apesar do actual isolamento social determinado pela Pandemia COVID-19, o INE continua a recolher a informação fazendo todos os esforços para assegurar a produção e divulgação das estatísticas trimestrais de emprego. O INE apela a colaboração e agradece antecipadamente aos agregados familiares que fazem parte da amostra deste inquérito na resposta às questões, em particular nesta fase de distanciamento social e compromete-se a acautelar as medidas de biossegurança no processo de recolha de dados. Assim esperase disponibilizar a próxima edição da FIR, referente ao segundo trimestre em Julho de 2021.Segundo os critérios da Organização Internacional do Trabalho (OIT), cada pessoa de 15 ou mais anos de idade, apenas deve ser classificada como: i) economicamente activa (empregada ou desempregada); ii) economicamente não activa (inactivos), considerando a sua situação nos 7 dias anteriores a entrevista. Os indicadores sobre o mercado de trabalho mostram algumas evidências marcadas pelo impacto da Pandemia COVID-19. Na actual situação, pessoas nos trimestres anteriores classificadas como desempregadas e pessoas que efectivamente perderam os seus empregos devido à pandemia COVID-19 podem, neste trimestre, ser classificadas como inactivas. A não disponibilidade para começar a trabalhar, por motivos relacionados com a pandemia, pode levar ao acréscimo da população inactiva. No primeiro trimestre de 2021, a população desempregada, estimada em 4 744 020 pessoas com 15 ou mais anos, diminuiu em 0,1% (3 602 pessoas) em relação ao trimestre anterior. Comparativamente ao primeiro trimestre de 2020 (período homólogo) aumentou em 8 563 pessoas, representando 0,2%. A taxa de desemprego foi estimada em 30,5%, valor inferior em 0,1 ponto percentual em relação ao do trimestre anterior (30,6%) e inferior a 1,5 pontos percentuais relativamente ao trimestre homólogo (32,0%). A população empregada com 15 ou mais anos foi estimada em 10 821 205, ou seja, aumentou 0,7% relativamente ao trimestre anterior (mais 71 717 pessoas) e 7,3% em relação ao trimestre homólogo de 2020. A taxa de emprego situou-se em (62,6%) tendo-se verificado uma diminuição de 0,3% em relação ao trimestre anterior (62,8%) e um aumento de 3,3% relativamente ao trimestre homólogo (60,7%). ...

Publicado em: 6/12/2021

Ler Mais...

    • 1